Doenças

14 estranhos e desconhecidos distúrbios psicológicos

A dia de hoje, a mente humana continua a ser uma das maiores incógnitas que existem. Existem distúrbios psicológicos, como por exemplo: os delírios, os estados dissociativos, algumas alucinações sensoriais, experiências esmagadoras e anomalias cerebrais, para mencionar apenas algumas.

Tão preocupantes como atraentes, os distúrbios psicológicos têm a capacidade de fascinar e de ajudar a contemplar a mente humana como algo maravilhoso, que é infinito e surpreendente.

Nas próximas linhas, vamos abordar alguns distúrbios que poderiam ser desconhecidas para muitos de nós. Pronto para começar?

Distúrbios psicológicos incomuns

Enquanto que a maioria de nós já ouviu falar de transtornos psicológicos como a esquizofrenia ou o transtorno obsessivo-compulsivo, há uma longa lista de condições psicológicas que são extremamente estranhas e incomuns.

1. Delírio de Capgras

Conforme afirma o estudo do Instituto Nacional de Saúde Mental Honório Delgado–Hideyo Noguchi (Peru), que sofre tem a firme convicção de que uma pessoa de sua ambientes foi substituído por um impostor idêntico. Esta síndrome ou delírio é mais frequente em pessoas com esquizofrenia, embora também se dá em pacientes com demência, epilepsia ou com traumatismos craneoencefálicos.

2. A Síndrome de Fregoli

A Síndrome de Fregoli é o inverso ao delírio de Capgras. Neste caso, a pessoa que sofre tem a angustiante crença de que pessoas diferentes são, na realidade, uma única pessoa que muda a sua aparência ou que se disfarça.

Ao igual que o Capgras, estes distúrbios psicológicos ocorrem com mais frequência em pessoas com esquizofrenia, embora também se apresenta em pacientes com demência, epilepsia ou lesões cerebrais traumáticas.

3. Delírio de negação ou de Cotard

A pessoa afetada tem a crença delirante de que está morto, ou que não existe, afirma o estudo da Universidade Do Vale (Colômbia). De que está em estado de putrefação ou que tenha perdido sua sangue ou órgãos internos. Observa-Se com maior freqüência em pacientes com depressão psicótica ou com esquizofrenia.

4. Paramnesia reduplicativa

Consiste na crença delirante de que um local foi duplicado, isto é, que existem simultaneamente cópias desse mesmo lugar. Por exemplo, o paciente pode pensar que o hospital em que se encontra foi duplicado e mudou de localização.

Leia também:  3 dicas para prevenir doenças sexualmente transmissíveis

Costuma associar-se a doenças como a esquizofrenia, tal como diz este estudo do Instituto Nacional de Saúde Mental Honório Delgado (Peru).

5. Síndrome da mão estranha

As pessoas que sofrem acreditam que sua própria mão não pertence a si mesmos, mas que tem vida própria, conforme explica esta investigação do pesquisador R. Hidalgo-Borrajo . Geralmente, esse problema aparece em pessoas que sofreram danos no corpo caloso, que liga os hemisférios cerebrais.

O membro sobre o que não existe um controle do todo consciente pode ser ativado em ações automatizadas, como escovar os dentes ou pentear o cabelo.

6. Micropsia ou macropsia

É uma doença neurológica em que a percepção da imagem, o espaço e o tempo se distorce. Também pode ser associado a danos na retina dos olhos.

Esta doença está associada, em alguns casos, o consumo de certas drogas ou infecções virais, como é o caso do Vírus de Epstein Barr, afirma o estudo do Hospital Universitário Austral (Argentina). Também é conhecido como síndrome de Alice no País das Maravilhas.

7. Síndrome de Jerusalém

Caracteriza-Se pela presença de idéias filmes, trailers ou outro tipo de experiências relacionadas com temáticas religiosas. Essas experiências são acionados no número de turistas que visitam Jerusalém. Algumas pessoas reagem agindo ou sentindo-se identificadas com personagens bíblicos.

Trata-Se de uma síndrome rara, de acordo traz, neste estudo, do Royal College of Psychiatrists.

8. Síndrome de Paris

A síndrome de Paris é dada em cidadãos japoneses durante a sua visita à capital francesa. Essas pessoas sofrem uma crise nervosa durante a sua visita; não obstante, também se tem observado os turistas japoneses que visitam qualquer parte da França ou da Espanha em geral.

Parece ser um quadro grave derivado do choque cultural, a partir do qual experimentam sintomas físicos e emocionais de ansiedade, tais como desrealização, clínico, ideias delirantes, alucinações, etc.

Dos 6 milhões de turistas japoneses que visitam a cidade a cada ano, há apenas cerca de 20 afetados. Suspeita-Se que os fatores desencadeantes podem ser a idealização, a barreira da linguagem, o cansaço físico e mental e a confrontação com hábitos culturais radicalmente diferentes.

9. Fuga dissociativa

A pessoa que sofre este episódio pausa viaja de forma inesperada e anda perplexo com o lugar sem ser consciente de sua identidade e a razão que o levou até lá. Geralmente, esses episódios se precipitam para o padecimento de um forte período de estresse emocional e físico.

Leia também:  15 coisas que você deve saber sobre a fibromialgia

10. Síndrome do sotaque estrangeiro

A pessoa que sofre de fala sua língua materna, com sotaque estrangeiro, afirma o estudo do Instituto Nacional de Neurologia e Neurocirurgia Manuel Velasco Suárez (México). É uma doença rara e, geralmente, após sofrer um forte traumatismo craniano ou de alguma lesão que afete os núcleos cerebrais da fala.

11. Síndrome De Estocolmo

Caracteriza-Se pela simpatia e lealdade que uma pessoa raptada lhe professa a seu sequestrador, afirma o estudo da Universidade de Guadalajara (México). Esta síndrome foi descrita em casos de sequestros, abuso sexual, etc.

Como curiosidade, esta síndrome deve o seu nome ao roubo de um banco, em 1973, em Estocolmo (Suécia). Os reféns ficaram tão ligados emocionalmente aos seus sequestradores que chegaram a recusar-se a depor contra ele.

12. Síndrome de Lima

É o caso contrário, a síndrome de Estocolmo. Aqui, os reféns acabam resultando simpáticos aos seus captores, os quais pessoas sucumbem às suas necessidades e desejos. É possível que essa reação obedecer aos sentimentos de culpa e indecisão moral dos sequestradores. A origem do nome surgiu a partir da tomada de reféns na Embaixada japonesa em Lima (Peru).

13. A Síndrome de Stendhal

A Síndrome de Stendhal é caracterizada pela ansiedade física e emocional, pelas experiências dissociativas, pela confusão e até mesmo alucinações que uma pessoa tem quando se contempla uma obra de arte.

Isso ocorre, geralmente, quando se está observando uma obra particularmente bonito ou se concentra de forma exagerada em uma única criação. Podemos designar sob o mesmo rótulo a reação semelhante em que uma pessoa experimenta quando se depara com uma imensa beleza e o mundo natural.

Normalmente, essa experiência é limitada e as pessoas envolvidas não precisam de uma intervenção que vá para além das medidas de apoio.

14. A Síndrome de Diógenes

Esta síndrome caracteriza-se por protelar extrema, o isolamento social, a apatia e a acumulação compulsiva de lixo. Encontra-Se principalmente em idosos e está associada à demência progressiva. Em seguida, discutido algumas curiosidades do homem que lhe deu o nome a esta doença.

Diógenes de Sinope (412 ou 404 a. C. até 323. C.), era um filósofo grego, cínico e minimalista. Sua filosofia baseava-se na crença de que o propósito da vida era viver uma vida de virtude, de acordo com a natureza e o mundo, e todos os desejos convencionais (riqueza, poder, saúde e fama).

Leia também:  10 sintomas que te alertam sobre problemas da tireoide

Diz-Se que viveu em um barril de vinho nas ruas de Atenas. Era famoso pela sua configuração e autoconfiança nas suas trocas com Alexandre, o Grande. Conta-Se que, em uma ocasião, Alexandre, o Grande, disse Diógenes “Pede-me o que quiser”, ao que respondeu: “ergue-te, que me tapas o sol”.

Os transtornos psicológicos que fomos expostos são apenas alguns de uma enorme lista repleta de incríveis doenças que nos deixam pasmados. Esperamos que você tenha gostado!

O que são primeiros socorros psicológicos e como nós podemos fornecê-los? o Que são primeiros socorros psicológicos e como nós podemos fornecê-los? São chamados de primeiros socorros psicológicos nos primeiros apoios emocionais proporcionados às pessoas afetadas por algum evento traumático. Ler mais “Bibliografia

  • Caballo, V. E. (2010). Manual para a avaliação clínica dos transtornos psicológicos: estratégias de avaliação, problemas de crianças e transtornos de ansiedade (Não. 616.89). Pirâmide.
  • Fernandez, M. A., Martinez-Arias, R., & Rodríguez-Sutil, C. (2000). Prevalência de transtornos psicológicos em crianças e adolescentes, a sua relação com a idade e o gênero. Estrela da manhã: surrealismo, 12(4), 525-532.
  • Garrafa, C., Garcia-Palacios, A., Quero, S., Casa De Banho, R. M., & Bretão-López, J. M. (2007). Realidade Virtual e Tratamentos Psicológicos. MEDICINA PSICOSSOMÁTICA E PSIQUIATRIA DE LIGAÇÃO. https://doi.org/10.1080/09602011.2015.1109525

Raquel Aldana Raquel Aldana

Psicóloga-Geral De Saúde. Número de colegiada: R – 00714. Mestrado em Psicologia-Geral de Saúde pela UNED. Especialista em Educação Emocional. Colaboradora em diferentes meios de comunicação.

Psicóloga, terapeuta, docente e pesquisadora no centro privado em tempo integral. Formadora em organismos públicos Da região de la Rioja. Pesquisadora na USAL. Preparadora concursos Forças de Segurança do Estado. Coordenadora das Jornadas de Psicologia Emocional e outras formações do Conselho de Juventude de Logroño. Conferencista no Instituto Riojano da Juventude.

Redatora e assessora de conteúdos em Grupo M Contigo S.L. Professora tutora Mestrado em Psicologia Geral de Saúde (UNIR e UNED). Professora tutora em Grau de Psicologia (AAS).

Colaboração com TEA Edições no projecto-piloto de digitação do Questionário TEA para a Avaliação do TDAH e as Funções Executivas, ATENTO Parceria com a Pearson Clinical Assessment no projeto de tipificação de Clinical Evaluation of Language Fundamentals (CELF-5) e Behavior Assessment System for Children-3 (BASC-3) Criou o programa de promoção da empregabilidade juvenil.

error: Esse conteúdo é Protegido